Porque o feminismo fará o Ocidente ser dominado pelo Oriente até 2050

“A suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar.”

Sun Tzu

“A mulher foi feita da costela do homem, não dos pés para ser pisada, nem da cabeça para ser superior, mas sim do lado para ser igual, debaixo do braço para ser protegida e do lado do coração para ser amada.”

Maomé

O que é uma guerra?
A guerra nada mais é do que um conflito de vontades.
Como funciona uma guerra?
A guerra funciona mais ou menos assim:
O ator A deseja obter o domínio das riquezas (ou qualquer outra coisa) situadas dentro do território do ator B.
Para conseguir isso, o ator A precisa derrotar as forças de defesa do ator B para então ser capaz de exercer sua vontade na área desejada.
Como se vence uma guerra?
Para obter a vitória, o ator A precisa eliminar as defesas do ator B, e colocar no local desejado partidários do ator A, ou seja, na prática a guerra nada mais é do que um cara que toma o lugar de outro, e passa assim a exercer sua vontade na área dominada.
Existem basicamente duas formas de se vencer uma guerra.
A primeira, através do contato direto com o oponente, que inevitavelmente levará o caos e a morte para o espaço de batalha, mas na guerra atual e futura, o caos se espalhará por toda parte e não ficará restrito ao espaço de batalha(ler sobra a excelente teoria da guerra irrestrita criada pelos chineses).
Essa opção, além de traumática e cara não garante a certeza da vitória, porque todos sabem como uma guerra começa, mas ninguém sabe como termina.
A segunda opção é investir no longo prazo e vencer de forma lenta porém mais barata, muito menos traumática e com certeza muito mais discreta também.
Mas como vencer sem ter que lutar?
Isso pode ser feito de duas formas:

1-) Investindo pesado para espalhar a cultura e o modo de pensar que atenda aos seus interesses através do domínio ideológico/cultural e de uma diplomacia eficiente aliado a um poder militar intimidador, isso se chama “Soft power” (os EUA tiveram muito sucesso com essa estratégia por mais de 40 anos, mas conforme a economia e cultura dos EUA fica mais fraca, eles estão apelando cada vez mais para a força bruta na tentativa de conservar sua hegemonia).

Assista esses vídeos, para entender melhor como funciona a Geopolítica mundial:

2-) Fazer com que o crescimento demográfico daqueles que pensam igual a você seja superior ao restante.
Com um crescimento demográfico superior, é só uma questão de tempo até a vitória chegar, porque conforme aqueles que pensam diferente de você vão morrendo, eles vão sendo naturalmente substituídos pelos seus semelhantes.

Separei artigos que comprovam essa teoria.
O primeiro, no site do exército brasileiro, clique aqui.
Se não foi possível acessar esse link, tente nesse aqui.

O Avanço do Islã no Ocidente e no Brasil

Magno Paganelli

O Islã vem aí; a bem da verdade já chegou.
O avanço islâmico para o ocidente usa a mesma estratégia do Cristianismo quando faz missões.
Os estrategistas islâmicos acreditam que o próprio Allah, prevendo a necessidade de fundos para financiar o avanço missionário muçulmano, confiou as reservas mundiais de petróleo às nações muçulmanas.
O espaço disponível aqui para esta questão da expansão islâmica é pequeno.
No entanto, quero destacar alguns pontos-chave que indicam a mobilização islâmica neste sentido.
O Islã tem disposto não de um, mas de três meios pelos quais demarca o seu território nos países ocidentais:
imigração, conversão e natalidade.
Em todos os países da Europa e nos Estados Unidos a população árabe muçulmana imigrante cresceu, além dos descendentes nascidos nessas regiões.

Na Inglaterra.

Nos últimos 30 anos a população muçulmana cresceu de 28 mil para 2,5 milhões de pessoas.
Grã-Bretanha deixará de ser país cristão em 2030, afirma estudo.
Em média, 500.000 pessoas por ano abandonam o cristianismo
A Grã-Bretanha deixará de ser um país cristão daqui a 20 anos, de acordo com um estudo do Escritório Nacional de Estatísticas, que fez a projeção com base em 50.000 entrevistas do serviço do governo de colocação de trabalhadores.
O estudo constatou que em seis anos, desde 2004, o cristianismo perdeu anualmente a média de 500.000 fiéis, com o declínio de 7,6%. No mesmo período, houve o aumento anual de 750.000 ateus e agnósticos.
Se não fosse a imigração, a queda de fiéis do cristianismo seria mais acentuada.
A imigração explica também, em parte, o aumento no número de muçulmanos (36,7%), de hindus (43%) e de budistas (75%).
Em números absolutos, contudo, os fiéis dessas religiões continuam representando minorias.
Outros estudos confirmam o avanço da secularização na Grã-Bretanha, como o da British Social Attitudes, que indica que metade dos britânicos já não tem religião.
Mas a pesquisa do Escritório Nacional de Estatísticas apresenta menor margem de erro em decorrência de ter com base maior massa de informação.
Para o Daily Mail, o decréscimo dos cristãos tem levado seus líderes (sacerdotes e laicos) a reclamar cada vez mais de perseguição e da restrição no uso do espaço público.
Um dos exemplos citados pelo jornal foi um protesto recente de cristãos contra a remoção por um crematório de uma janela de vidro com o desenho de uma cruz.
O crematório explicou que a janela foi trocada por outra para tornar o ambiente adequado às demais religiões.
Fonte: Daily Mail

Na França em 2008 eram 5 milhões.
Na Holanda, 50% dos recém-nascidos são crianças muçulmanas.
Na Bélgica, 25% da população e 50% dos nascimentos é de muçulmanos.
O Governo daquele país declarou que em 2025, um terço dos recém-nascidos na Europa será de famílias muçulmanas.
Declaração semelhante foi feita pelo Governo Alemão, que disse prever a Alemanha como um país muçulmano até 2050.
Na Noruega.

Os muçulmanos já veem esses sinais.
O recém-assassinado General Kadhafi disse:
Há sinais de que Alá garantirá vitória ao Islã na Europa sem espadas, sem armas, sem conquistas.
Não precisamos de terroristas ou bombas homicidas.

A quarta geração do califado europeu.

É esperado que os mais de 52 milhões de muçulmanos que vivem na Europa dobre sua população em até vinte anos.
Nas Américas os números não são diferentes.
No Canadá o crescimento populacional total registrado entre os anos 2000 e 2006 foi de 1,6 milhão, sendo que 1,2 milhão foi de imigração.
Nos Estados Unidos a taxa de fertilidade é de 1,6 filhos e chega a 2,11 somente se somada à imigração latina.
Em 1970 havia 100.000 muçulmanos nos Estados Unidos, hoje há 9 milhões
Por conta disso, mesquitas têm sido construídas nos principais centros que antes eram referência para os cristãos.
A Mesquita de Roma, uma afronta o Vaticano na terra do Catolocismo e uma Mesquita em Genebra, no marco do Protestantismo.
Mas em Meca, um cristão não pode nem mesmo aproximar-se da mesquita principal.
Mas a ousadia islâmica nunca foi tão longe como nos Estados Unidos, onde líderes islâmicos anunciaram a intensão de construir uma mesquita e um centro de cultura islâmica em rua próxima ao Marco Zero.
O Conselho Municipal de Manhatan aprovou a sua construção e o Presidente Obama manifestou-se favorável.
As famílias das vítimas dos atentados mostraram-se incorformadas.
Enquanto os protestos contra novas mesquitas em Nova Iorque, Tennessee e Califórnia ganharam as manchetes, o número total de mesquitas cresceu em silêncio, subindo de 1.209 em 2000 para 2.106 em 2010.
74% de crescimento em dez anos.
Essas estatísticas apontam, ainda, noutra direção além do seu valor ou desdobramento no que tange à questão da cultura.

Há implicações econômicas, por exemplo.
Enquanto a população economicamente ativa diminui, a população idosa aumenta.
A Grécia, os Estados Unidos e outros países desenvolvidos revelaram nesta década os efeitos dramáticos desse modelo.
A força de trabalho ativa não conseguiu sustentar o número de aposentados em função do desequilíbrio entre os trabalhadores ativos e inativos.
É inevitável que num cenário assim a economia seja posta nas mãos de quem detém a força de trabalho, no caso, muçulmanos com sua numerosa população.
Na Conferência de Chicago, dezenas de nações islâmicas se reuniram para discutir a islamificação da América através de meios como o jornalismo, a política e a educação.
A América Latina também tem números expressivos de muçulmanos.
No Brasil a população estimada é de 1,5 milhão.
Somente no Estado de São Paulo os muçulmanos são 400 mil.
Na tríplice fronteira, Brasil, Argentina e Paraguai, há um grupo radical islâmico.
Um muçulmano xiita da região converteu-se e passou a frequentar a comunidade metodista.
Logo houve ataques, agressões e ameaças contra esse irmão e seu pastor.
No mais, a estratégia para basear-se na América do Sul é a mesma.
Aumentar a população, influenciar na política e na educação.
O primeiro ponto já está em andamento por aqui.
O segundo também.
Na Inglaterra já há um partido islâmico e eles já aprovaram leis voltadas para a sua comunidade.

O Brasil não fica atrás.

Em 1998 ocorreu um Congresso Islâmico em São Bernardo do Campo (SP) com 147 representantes de diversas sociedades islâmicas do país.
O congresso deliberou pela criação de uma comissão provisória com vistas à criação de um partido.
Em 2011, o Deputado mineiro pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Miguel Corrêa apresentou (em 06.07.2011) a PL 1780/11 que altera a Lei no 9.394 (de 20 de dezembro de 1996), a chamada Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “cultura árabe e tradição islâmica” e dá outras providências.
Esta PL 1780/11 foi retirada da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, mas não nos esqueçamos do que ocorreu com a PL 122, a PL da Homofobia, que mesmo depois de sua retirada da Mesa foi desarquivada com força ainda maior pela Senadora Marta Suplicy, do mesmo Partido dos Trabalhadores, e ganhou forte expressão nacional.
Não pense o leitor que o fato de a PL 1780/11 não constar da pauta, que a questão está encerrada.
A presença nas instituições de ensino não é um mecanismo novo.
Nos Estados Unidos as lideranças islâmicas já ocupam consideráveis espaços nas escolas secundárias, bem como em universidades.
A proposta às reitorias e juntas diretivas é feita em face à necessidade de fornecer um departamento de estudos islâmicos no campus. A universidade cede o local e todo o recurso necessário é fornecido pelo Islã.
Mulás são indicados para ensinarem, a fim de que haja garantia de que o Islã será bem representado.
Isso também ocorre entre a comunidade local por meio das próprias instituições islâmicas já estabelecidas na sociedade, não apenas nos centros de educação.
No Brasil, há dezenas de instituições espalhadas por todo o território.
Segundo o Centro Islâmico no Brasil, são dezessete mesquitas, doze centros culturais, vinte e três federações, assembleias e sociedades, cinco escolas e dois cemitérios.
Se tudo isso parece novo para você, é bom começar a acostumar-se com a presença islâmica em nosso meio.
O problema é quando começarem manifestar a imposição das suas leis em nosso país, até agora dito “de tradições cristãs”.
O esforço concentra-se também na publicação de obras em língua portuguesa.
“O Islamismo tem se esmerado em atacar as doutrinas cristãs através de regulares publicações.
Entre os vários livros cujo propósito é desacreditar as doutrinas cristãs, temos conosco alguns publicados em português no Brasil com este propósito.
Entre eles destaco A Bíblia, o Alcorão e a Ciência por Dr. Maurice Bucaille.
Há outros livros que se opõem as doutrinas cristãs como O Islam e o Mundo por Abul Hassam Annaduy e Islam e Cristianismo por Ulfat Aziz Assamad e Islamismo Mandamentos Fundamentais por Mohamad Ahmad Abou Fares.
São apenas alguns exemplos (há muitos outros títulos publicados) do que já há em português publicado pelo Islamismo para atacar e desacreditar o Cristianismo”.
A diversidade étnica e a liberdade de culto no Brasil são públicas e notórias; nem por isso vemos as comunidades de alemães e de italianos no sul do país, ou de orientais e italianos no Estado de São Paulo, fazendo lobbies para que sejam criadas leis específicas para eles.
Imigrantes que chegam aqui convivem harmoniosamente há séculos com os nossos padrões e as nossas leis.
Por que haveria de mudar agora?
A pluralidade religiosa brasileira bem que podia servir de exemplo para países e comunidades muçulmanos, o que definitivamente não ocorre.
Vemos, isso sim, perseguição, mortes, condenações, incêndio a igrejas e muito mais.
Seria bom, se de fato o Islã é uma religião da paz, que a cada instituição implantada aqui, uma igreja ou seminário também fossem abertos por lá, sem riscos à vida de quem quer que seja.
Infelizmente sabemos que isso não acontecerá.

(*) Este artigo foi extraído e adaptado do livro Islamismo e Apocalipse, de Magno Paganelli (Arte Editorial, 2012).
É usado com autorização e pode ser reproduzido desde que citada a fonte.
Monumento à Saladino, que expulsou os cristãos de Jerusalém.

Minhas considerações finais

O Ocidente neoliberal, que deixou tudo nas mãos das multinacionais, está falido, e depende em última instância de seu poder militar para dominar as fontes de riquezas naturais existentes nos países mais fracos, principalmente da África e América Latina.

Na África

A China avança de forma implacável em todo o mundo, mas principalmente sobre o continente africano.
A cada ano mais países africanos entram na órbita de influência de Pequim, tirando dos EUA a oportunidade de tomar fontes vitais de riquezas naturais, a um custo relativamente baixo, já que os países africanos são fracos militarmente e nenhum deles possui um arsenal nuclear para garantir sua defesa definitiva contra invasores.

Na América Latina

Na América Latina, desde 1999 foram eleitos governos nacionalistas que em alguns casos simplesmente expulsaram os EUA de seu território, caso da Bolívia, Equador, Venezuela e Argentina.
O forte crescimento econômico dos países latinos desde o ano 2000, e a eleição de governos nacionalistas, fizeram disparar os investimentos em defesa na região e empresas do mundo todo estão percebendo o aumento do poderio bélico dos países da América do Sul e correm para fazer parcerias tecnológicas especialmente com o Brasil, mas também com Venezuela, Chile, e mais recentemente o Peru.
A Venezuela de Chavez, saiu da esfera de domínio dos EUA e se tornou uma aliada de primeira hora do Brasil, esse país inclusive está se tornando cada vez mais dependente da economia brasileira e chinesa, porque concede ao Brasil todos os maiores contratos para a construção civil(que antes eram dos EUA) e para o fornecimento de importantes sistemas militares de alta tecnologia tidos como “sensíveis” porque dão ao país fornecedor um profundo conhecimento das capacidades militares do país comprador (no caso do Brasil, até mesmo a capacidade de penetrar na rede C4I venezuelana, totalmente fornecida pela empresa brasileira Atech).
A Venezuela está cada vez mais armada e com isso fechou as portas da amazônia para a OTAN (liderada pelos EUA, país faminto por recursos naturais, mas sem dinheiro para pagar por eles porque está falido).
O Brasil, embora seja proporcionalmente um dos países que menos gasta com defesa, também está se armando, num ritmo lento, porém constante (aqueles que afirmam o contrário, não passam de cegos ignorantes, que nada entendem de Geopolítica e principalmente não são capazes de enxergar a realidade).
A única chance da América Latina não ter o mesmo destino do resto do Ocidente é através do aumento do número de evangélicos, por serem muito mais fiéis as suas crenças do que os católicos, mas não creio que os latinos serão capazes de impedir a avalanche islãmica.

O Oriente fortalece a família para aumentar sua população

Economia chinesa vai superar a dos EUA em quatro anos, diz organização.
Na China e Rússia, só para citar dois exemplos de dois países grandes do Oriente, o feminismo é tratado pelo estado como uma ameaça à segurança nacional e combatido como tal, assim como qualquer força desestabilizadora.

Discurso atribuído a Vladimir Putin no parlamento russo

“Na Rússia, vivem russos.
Todas as minorias, de qualquer origem, se desejam viver na Rússia, trabalhar e comer na Rússia, deveriam falar o russo e deveriam respeitar as leis russas.
Se preferirem a Lei da Charia, então nós recomendamos que eles se transfiram para países onde essa é a lei do Estado.
A Rússia não precisa de minorias.
As minorias precisam da Rússia e nós não daremos a elas privilégios especiais ou possibilidade de mudar nossas leis para elas se adaptarem a seus desejos.
Os costumes e as tradições da Rússia não são compatíveis com a falta de cultura ou com as formas primitivas da maioria das minorias.
Quando este honroso Parlamento pensar em criar novas leis, deve ter em mente em primeiro lugar os interesses nacionais, observando que as minorias não são russas”.

Captura de Tela 2013-10-04 às 22.55.41

Na China, o governo está matando o feminismo no ninho de forma muito inteligente, veja esse excelente artigo do Canal do Búfalo.

Justiça proíbe paradas gays em Moscou pelos próximos 100 anos.
Rússia rejeita Comitê da ONU edital sobre propaganda homossexual.
Feministas são presas na Rússia:

Feministas que invadiram igreja para “protestar” foram condenadas a 2 anos de prisão na Rússia.
Líder do grupo Semen está proibida de entrar na Rússia.

O futuro que as feministas sonham, com mulheres poderosas e que conseguirão subjugar os homens, não vai existir.
As mulheres muçulmanas não aceitam o feminismo nem mesmo em países liberais como o Brasil.
O feminismo, ao destruir a família através da degeneração da mulher, foi o responsável pelo imenso declínio da natalidade nos países ocidentais a partir da década de 70 e esse desequilíbrio demográfico é irreversível.
Ninguém foi capaz de enxergar tão bem a natureza masculina e feminina como os muçulmanos.
Por esse motivo o Islamismo tem grandes possibilidades de dominar o mundo no futuro.
Mapa mostrando o nível de crescimento demográfico mundial em 2012.
Nesse mapa, quanto mais escuro, maior o crescimento demográfico.

Captura de tela 2012-12-09 às 05.17.56

Depois que o ocidente estiver dominado por um Oriente islãmico, quero ver por quanto tempo ainda veremos feministas histéricas ficando peladinhas no meio da rua, chamando os homens de inúteis, estupradores, gays, “pega-ninguém”, frouxos, frustrados, etc, etc…

Como vivem homens e mulheres nas diversas fases da vida

“O melhor marido que uma mulher pode ter é um arqueólogo.
Quanto mais velha ela fica, maior o interesse dele.”
Agatha Christie.

Durante a infância, pelo fato do homem ser naturalmente mais introspectivo ele é menos paparicado do que a mulher, e se fode até na hora de ganhar presentes.
Todo mundo compra presentes mais caros para as meninas e o que sobra do dinheiro ai sim é gasto para comprar algum “brinquedinho” para o menino.
Mas como os homens reclamam muito menos, ninguém nota isso.

A infância da mulher se resume a ser elogiada e a fantasiar que algum dia será alguma “artista” famosa.
Os homens começam a se viciar em jogos.
A adolescência do homem se resume a estudar e eventualmente trabalhar, jogar videogame, se masturbar durante horas todos os dias assistindo filmes pornôs e viver na humilhação, sempre em busca de sexo.
Os homens na adolescência também tentam exercitar a sua virilidade, mas como as mulheres na mesma idade que eles os odeiam, eles acabam não tendo muito sucesso em suas tentativas de conseguir sexo com elas.

A adolescência da mulher se resume a ser assediada pelos homens de todas as idades e a dar para os homens mais velhos que vão buscá-las na porta da escola para come-las dentro do carro.

Como vivem as mulheres até os 30 anos.

Como todos nós sabemos, a vida da mulher é infinitamente mais fácil que a do homem.
Até os 30 elas estão relativamente bonitas e saudáveis e com isso podem escolher os melhores provedores para satisfazerem suas necessidades.
Dificilmente uma mulher precisa pagar para entrar em algum lugar e quando ela precisa pagar, ela arruma algum otário para pagar a entrada dela ela e em alguns casos o provedor paga até para as amigas também.
Nessa fase elas “curtem” a vida como loucas, sem parar para pensar nas conseqüências de seus atos e sobre o que será de sua vida no futuro, e isso ocorre porque estão no auge da sua arrogância, futilidade, infantilidade, utilitarismo e com a ilusão de que tudo isso vai durar para sempre, aconteça o que acontecer.

Todas as pesquisas indicam que as mulheres estão bebendo mais, fumando mais e fazendo mais sexo sem proteção do que os homens.
Elas bebem até cair porque sentem a necessidade de parecer “descoladas” para os caras na balada e também porque o ego as impele a sempre tentar ultrapassar qualquer limite, visando “chocar” todo mundo e com isso monopolizar a atenção de todos.
Elas sempre querem tirar mais um pouco do provedor que está com elas naquele momento, porque não sabem se ele estará lá no dia seguinte para bancá-las.
Elas não se preocupam em se firmarem dentro de alguma empresa, e desprezam profundamente os Betas que se aproximam delas querendo namorar/casar/ter filhos, chamam isso de “independência da mulher do século 21”.

Como os homens vivem até os 30 anos.

Até mesmo o homem que está atolado na matrix, aquele que é inocente e romântico, sabe que para ter a atenção das mulheres vai precisar ter no mínimo um carro e dinheiro para levá-la pra sair, afinal, homem que é homem paga a conta não é!
Como os otários precisam pagar tudo para eles e para elas, eles precisam desde cedo estudar e principalmente trabalhar muito.
Normalmente se o homem não tem a sorte de nascer em uma família rica, ele demora no mínimo até os 30 anos para começar a ter um patrimônio, isso se ele viver em um país que forneça oportunidade para isso.
Nessa fase, com carro e as vezes com casa própria, o homem inicia o seu apogeu sexual.
É nessa fase que ele “se vinga” dos velhos tempos em que as cocotinhas o desprezavam na escola porque ele não era um bandido, psicopata, cafajeste/fodão/bad boy e por esse motivo não comia ninguém, mas agora é ele quem começa a ter o poder nas mãos, e a não ser que esse homem seja uma toupeira, ele tem plena consciência disso.

Como vivem as mulheres a partir dos 35/40 anos.

A não ser que se trate de uma “coroa” muito gostosa e com uma genética privilegiada, daquelas que malham 5 vezes por semana na academia e além disso utilizam todo o arsenal científico/tecnológico que os homens inventaram para facilitar e melhorar a vida das mulheres, nessa fase elas começam a perceber que tem “algo” errado.
Elas começam a ficar desesperadas, chatas(mais do que eram antes) e normalmente estão separadas e tem filhos, o que dificulta ainda mais sua busca pelo provedor “perfeito”.
Quando passam por situação financeira difícil, mulheres procuram homens sensíveis(otários provedores) diz pesquisa.
Desesperadas, apelam para tudo quanto é coisa, principalmente para os sites de relacionamentos no qual sempre tentam passar a imagem de mulheres felizes, independentes e “modernas”.
Dizem que gostam de homens românticos, carinhosos, etc, só para atraírem homens mais dóceis porque sabem que esses darão bons provedores e vão facilitar as “escapadinhas” delas quando saem com alguma desculpa esfarrapada pra dar para algum cafajeste.
A partir dessa fase da vida delas, até mesmo os homens pobres e feios tem chance de come-las, porque elas estão tão carentes por fortes emoções que nem é preciso fazer muito esforço para comer, basta demonstrar que tem “pegada” que elas adoram!
Muitas inclusive pedem dinheiro aos namorados/maridos para irem ao motel com algum homem mais jovem que por ventura esteja na seca e topando comer alguma balzaca bem mais velha do que ele.

Como vivem os homens a partir dos 35/40 anos.

Nessa fase da vida do homem, ele se consolidou e mesmo que não seja rico, tem tudo que precisa para viver e ao contrário das mulheres os homens são simples e não precisam consumir todos os recursos naturais do planeta para se sentirem felizes.
Agora o cara tem carro, casa, grana e talvez até um tempo sobrando para fazer o que ele quiser.
Mas se nessa fase o homem tiver a mente forte e não tiver sido sugado para uma relação estável com alguma mulher, ele atingiu a sua “fase de ouro” e pode até se dar o luxo de comer ninfetinhas de 16/20 anos porque com grana e status o homem tem a mulher que ele quiser, mesmo se não tiver caráter algum, isso pra elas não é problema e sim solução.

Como vivem as mulheres a partir dos 50 anos.

Nessa época elas estão “nostálgicas”, depressivas e muitas voltam a viver com os pais, até porque ninguém critica uma mulher por viver com o papai e a mamãe, mesmo se ela estiver velha.
O mais impressionante é que a mulher atual perdeu toda a noção da realidade.
Em sites de relacionamentos, as mulheres de 40/50 anos querem “namorar” e até casar com homens de 25/35 anos, e elas ficam profundamente decepcionadas e irritadas quando percebem que o homem não quer uma mulher mais velha do que ele pra ter um relacionamento.
Se um homem topa comer ou mesmo ter um relacionamento com uma mulher mais velha, é porque ele não tem muita oportunidade de ficar com mulheres mais jovens e bonitas, e isso ocorre porque estas querem homens ricos e normalmente os ricos são mais velhos.
Muitas tomam anti depressivos e frequentam psicólogos apenas para xingar os homens e se fazerem de vitimas o tempo todo, mas nunca irão admitir sua parcela de culpa porque a mulher é assim mesmo, ela sempre joga a culpa no “outro” porque na mente dela, ela nunca erra e quando erra diz que foi “sem intenção”.

Como vivem os homens a partir dos 50 anos.

Mais velho e no auge de sua experiência de vida e com “traquejo” de sobra, os homens mais velhos tem “visão de águia” e quando não foram aprisionados num relacionamento por alguma jovem alpinista social, eles percebem as imensas vantagens de ser solteiro.
Os remédios para impotência sexual, revolucionaram a vida do homem e isso influiu inclusive no grande aumento de divórcios na “terceira idade” que passou a ocorrer em todos os países do mundo após essa “revolução” tecnológica.
Nessa fase, o homem faz o que quer e tem tempo e dinheiro sobrando para isso e os mais espertos, trataram de cuidar de sua saúde desde bem jovens e se não tiverem uma genética muito ruim podem chegar aos 50 relativamente bem física e mentalmente.
Esses homens sim aproveitaram a vida e hoje enxergam tudo com absoluta clareza.
Esses são os que riem por último!

A vida de um homem em 45 segundos.

O triste fim das balzacas parte 3

A mulher é muito mais realista do que o homem no sentido de levar uma vida pragmática e elas sabem lidar melhor do que os homens com tarefas simples do cotidiano (ver post A fantasia masculina de ser um herói).
Mas elas são incapazes de levar esse pragmatismo para a vida amorosa e sexual delas.
Em parte isso ocorre porque a mulher é um ser sádico por natureza.
Claro que não me refiro ao sadismo que envolve a violência física propriamente dita, mas sim o sadismo que envolve os jogos emocionais e a tortura mental que elas adoram fazer com os homens e que simultaneamente gostam que eles façam com elas(embora sempre neguem veementemente tal fato).
Elas se tornaram extremamente exigentes em todos os aspectos da vida, mas não admitem que essa cobrança retorne para elas.
A exigência masculina, embora seja diferente da feminina sob diversos aspectos, existe, e está aumentando.
Em parte por causa do novo ideal de beleza que a mídia propaga, mas em sua maior parte devido as exigências insanas que as mulheres fazem com os homens.
O homem sempre faz grande sacrifícios para se destacar e agradar a mulher, e exige algo em troca, especialmente se for um Alfa.
Os Betas nem tanto, porque como são desprezados, tem muito medo de perder uma mulher porque sabem que terão enormes dificuldades para encontrar outra.
Quando jovens, as mulheres excluem automaticamente os Betas de sua vida amorosa e sexual, relegando os menos destacados a mera posição de “estepe” emocional e sexual, ou como meros provedores.
Nos posts O poder sexual e a idéia de superioridade da mulher eu falei sobre como as mulheres consideram o próprio corpo uma “arma” para atrair e selecionar os homens, mas quando ela envelhece e perde a maior parte do seu poder sexual, ela também perde grande parte de sua capacidade de manipular os homens.
Se as mulheres não envelhecessem, ficariam eternamente arrogantes, e jamais aceitariam um homem sem destaque.
O principal meio que a mulher tem para manipular o homem é o próprio corpo e elas sabem disso.
Não é a toa que elas se dedicam com tanto afinco e gastam até o que não tem para manter ou de preferência aumentar o nível de beleza delas.
Utilizando o próprio corpo como meio para atrair, selecionar homens e como auto afirmação, elas acabam ignorando qualquer outra forma de atrair o homem e de se sentir bem consigo mesma.
Os homens não são incoerentes quando exigem beleza das mulheres porque eles pagam muito caro para ter sexo, portanto nada mais natural o fato de eles exigirem algo em troca.

Mas se a mulher não possui mais a única “arma” que ela desenvolveu a vida inteira para competir com as suas rivais, ela ficará impedida de continuar fazendo as mesmas exigências que fazia com os homens quando era jovem.
A mulher demora pra perceber os “sintomas” dessa perda de poder sexual, porque elas se tornaram megalomaníacas e narcisistas.
Quando percebem, é tarde demais, e ela não terá mais uma chance de acertar na vida.
Elas criaram a cultura da beleza e da futilidade e elas, junto com a mídia, incutiram na mente masculina os valores femininos, que são superficiais e ilógicos.
O resultado dessa miopia estratégica feminina no modo como elas lidam com a própria vida amorosa, é a solidão e o desprezo dos homens quando começam a envelhecer.
No final, elas acabam provando do próprio veneno.

Ao fazerem de tudo para se tornarem objeto de desejo sexual dos homens, elas acabam se auto objetificando e isso não é machismo dos homens, e sim um movimento lógico na direção que as próprias mulheres os colocaram!
Na dinâmica social que existe atualmente e que foi criada pela mulher e pela mídia, somente as gostosas serão valorizadas, porque o homem se acostumou a pagar para ter sexo e atenção das mulheres, e isso só mudaria se a mulher mudasse primeiro.
Somente a mulher tem poder para mudar a cultura existente no mercado sexual, porque o homem não é capaz de se controlar quando uma mulher oferece sexo mais fácil, mesmo que caro porque ele terá que bancá-la.
Somente com o retorno do patriarcado essa realidade seria alterada.
Mas isso as mulheres não querem, porque preferem viver de modo hedonista e fútil.

No final, sem que a maioria dos homens aceite manter uma relação estável com elas e quando muito só aceitam fazer sexo, elas entram em desespero.
Começam a fazer coisas que nunca imaginaram na vida.
Além de ficarem se oferecendo para homens comprometidos o tempo todo, elas começam a fazer vários comentários nas fotos dos machos nas redes sociais, desesperadas por atenção e querendo arranjar um otário provedor.
Muitas acabam nos bailes da terceira idade ou em baladinhas próprias para as balzacas.
Nesses lugares, elas ficam sentadas, e elas pagam para homens mais jovens dançarem com elas, mas elas querem mesmo é realizar a fantasia que quase toda mulher possui de aprisionar e domar um cafajeste.
E lá elas caem nas mãos de jovens cafajestes, e se iludem acreditando que poderão reviver os velhos e bons momentos de fortes emoções com eles, e que poderão eventualmente dominá-los.
Movidas pela esperança de que podem faze-los se apaixonar por elas, muitas acabam perdendo dinheiro.
Conheço mulheres que perderam dinheiro suficiente para comprar uma casa, ao se envolverem com homens que só vão nesses lugares porque sabem que lá encontrarão mulheres carentes e frágeis.
No fim, elas terminam da mesma forma que começaram.
Sempre tentando domar um cafajeste.

O triste fim das balzacas parte 2

As balzaquianas que estão casadas, se deixam influenciar pela mídia e pelo comportamento das mulheres mais jovens e começam a trair seus maridos.
Elas não traem porque gostam de sexo, e sim porque necessitam urgentemente se sentirem comíveis, desejadas pelos homens, especialmente os mais jovens.
A inveja da mulher mais velha, das mais novas, aumenta na medida em que ela vai progressivamente perdendo o seu poder sexual.
Como as mulheres se acostumaram a ser assediadas e a conseguirem sexo com extrema facilidade, elas acreditam que podem ter esse privilégio a vida toda.
Ela sente uma profunda inveja tanto dos assédios constantes sobre as novinhas feitos por homens de todas as idades, como também da imensa facilidade das mulheres jovens e bonitas em manipular os homens ao seu bel prazer!
As mulheres jovens, por sua vez, fazem questão de esfregar na cara das balzacas tudo o que elas conseguem dos homens, inclusive exagerando ou as vezes até mentindo sobre alguns fatos.

Durante toda a vida, as mulheres tentam a todo custo encontrar o “príncipe encantado” e elas usam o próprio corpo como arma para selecionar o melhor.
Ocorre que as mulheres nunca estão satisfeitas com nada, e o tempo passa e para elas, o príncipe sempre vira sapo.
Então elas vão trocando e trocando, fazem isso tantas vezes quanto for possível.
Mas elas nunca vão encontrar nenhum homem que sirva pra elas, porque elas idealizam um homem que só existe em filmes e novelas.
Quando estão com um homem, ficam a todo momento se comparando com as outras, e elas “medem” o nível de felicidade que elas possuem (ou acham que possuem) com a das outras mulheres e sempre jogam a culpa de qualquer fracasso no homem que está com elas.
Elas vivem em uma outra dimensão, estão completamente alucinadas e se recusam a viver de forma madura e realista.

Por viverem num mundo de ilusões vendidas pela mídia, elas mesmas se enganam, mas antes de se enganarem, elas enganam os homens.
Antes as mulheres se preocupavam em criar os próprios filhos e cuidar da casa, naquela época não sobrava tanto tempo ocioso para invejar e se comparar com as outras.
Como os homens ficavam quase o dia todo trabalhando, também não sobrava muito tempo para brigas e discussões, tudo era mais simples.
Com o tempo e a forte influencia da mídia, o dinheiro, status e a beleza acabaram se tornando os principais critérios de escolha da mulher, em todas as classes sociais.
Com o feminismo, veio também a destruição da família, destruindo a estabilidade e o alicerce moral da sociedade.
A mulher abandonou qualquer valor moral que antes regulava o comportamento feminino, e é visível o quanto elas tem dificuldade em saber lidar com a liberdade que conseguiram.
Como a mulher nunca construiu nada na história da civilização, elas não tinham e ainda não tem, a noção de que junto com a liberdade e o poder vem a responsabilidade.

No passado, os homens eram severamente punidos por qualquer erro que cometiam.
Mas como a mídia e os homens sempre pouparam e mimaram a mulher isentando-as de cobranças e punições, elas não desenvolveram nenhum senso de responsabilidade.
Com grande parte dos homens isso também ocorre, porque os filhos de mães solteiras possuem chances muito maiores de se tornarem criminosos por exemplo, fato comprovado por diversos estudos em todo o mundo.
Como efeito colateral dessa nova filosofia de vida da mulher, ela desenvolveu uma forma de enxergar o mundo que não corresponde a realidade.
A mulher atual idealiza um tipo de homem que só existe em filmes e novelas, e elas exigem coisas dos homens que eles nunca serão capazes de dar.
Acreditando na idéia de que elas podem ter uma vida amorosa igual a dos filmes e novelas, a mulher atual sempre acaba se frustrando com a realidade.
Elas nunca estão satisfeitas, mesmo quando encontram um homem teoricamente perfeito.
Como todas as mulheres só disputam o mesmo tipo de homem (os Alfas) elas acabam entrando em disputas intermináveis com as suas rivais.
Como elas poderão ser felizes levando uma vida sem paz e harmonia?
Para nós homens isso é ilógico e incompreensível, mas para elas faz todo sentido ficar muito tempo sozinhas e dando foras em homens que talvez não sejam tão destacados, mas que fariam de tudo para agradar uma mulher, mesmo que ela nunca faça nada para merecer essa dedicação.